domingo, 9 de outubro de 2016

Teste

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

terça-feira, 25 de setembro de 2012

SAUDADE DE DIZER ADEUS

Talvez você não se importe com isso, mas a verdade é que hoje, mais do que nos últimos dias, estou sentindo a sua falta. Poderia dizer que nada houve, que não tivemos nada, que tudo não passou de coisas da minha imaginação. Eu não diria isso: o que aconteceu comigo foi amor. Mesmo que você não o tenha sentido, ainda que por causa da sua indiferença e falta de consideração isso não tenha passado pela sua cabeça nem pelo seu coração. Você não tem culpa disso, por que antes de eu aparecer você não existia, antes de eu te inventar, de criar um personagem para você representar, você não estava lá, eu nunca antes tinha visto você. Portanto, eu te absolvo do pecado de não me querer. Afinal, já existia uma história antes, você já era personagem de outra criação, sua história existia antes de eu criar a minha história com você. Eu não tinha mesmo o direito de me intrometer nos seus assuntos, de fazer tudo para você se sentir bem, de me dedicar a seus pequenos problemas cotidianos, de pedir um sorriso no seu rosto quando eu percebia a sua tristeza, cujos motivos eu não sabia. Desconhecida, estranha e às vezes arredia ao meu afeto: compreendo agora que isso realmente não cabia a mim resolver, porque você não me havia convidado a entrar no seu mundo, eu era um invasor do seu castelo, e ainda que eu quisesse vir em missão de paz, não deixava de ser um invasor. Você parecia ter medo, seu orgulho não deixava dúvidas de que eu estava indo longe demais por você, não te deixando ir enfrentar você mesma, antecipando seus desejos, até mesmo criando desejos para você. Agora que você foi embora, mas deixando-se ficar em coisas suas em mim, eu não tiro a sua razão em querer ter ido, porque, como você mesma disse, meu excesso de afeto estava te sufocando. É claro, não é bom se sentir sufocado, não se consegue respirar, não é possível se sentir livre com alguém te protegendo, cuidando de ti como se você fosse uma criança desprotegida e assustada. Você tornou-se independente de mim no dia em que me rejeitou, você curou-se de uma enfermidade com a qual você não se contaminou, livrou-se com antecedência de sofrer por antecipação. Foi bom que tenha sido assim, melhor dizer que foi a melhor coisa que aconteceu: antes de tudo ruir, nós desmontamos; quando você partiu eu já tinha partido, já estava me despedindo, arrumando as minhas coisas para carregá-las comigo, prevendo já o fim, me desfazendo daquilo que eu não ia precisar ou daquilo que não conseguiria levar comigo; até porque seria remoer o remoído guardar os restos, sem préstimo, não caberiam no armário do amor as mágoas, o peso de tudo faria tudo desabar de repente. Quando deixei algo para trás, saí mais leve, andei mais depressa para não ter tempo de voltar atrás; talvez eu tenha esquecido de alguma coisa importante, e é provável que tenha abandonado o que jamais deveria ter sido esquecido. Mas agora não é mais possível recuperar isso. E esta falta que eu estou sentindo hoje é da configuração das coisas daquele tempo, da maneira de pensar, sentir, querer e sonhar daquele instante.

sábado, 15 de setembro de 2012

PLATAFORMA J



- Nossa! Não vi o tempo passar! Já são dez e meia! O ônibus parte em meia hora!
- Dá tempo...a gente pode ir a pé, se você quiser.
- Sei não, acho melhor eu pegar um táxi. Não precisa ir comigo até lá, não...
- Mas eu queria ficar um pouco mais com você.
- É... mas será a última vez.
- Eu vou guardar essa noite pelo resto da minha vida. Lembra de "Noites Brancas", aquela história do Sonhador falando do "minuto de felicidade"? Pois é. Acho que esse é o meu minuto. O último.
- Eu também não vou te esquecer, meu caro. Mas está na hora de ir. Vamos?
- Só se for a pé.
- Temos vinte minutos.
- Se a gente descer aqui a João Pinheiro, é rapidinho. Daí a gente pega a Afonso Pena, chegamos na Rodoviária com uns quinze minutos. Dá tempo de eu te dar um abraço de despedida.
-Então vamos logo.

Os dois se olham. Sabem que esta é a última vez que vão se ver, depois que ela passou no concurso da Prefeitura de Montes Claros. Com a vantagem de morar perto da casa do pai, perto do serviço, no Centro, recebendo um salário até razoável em comparação com a merreca que ela ganha na C&A. Mas o mais importante é que lá ela vai morar com o ex-namorado, agora também funcionário da administração municipal. Os dois terão uma vida bem melhor que esta aqui em Belo Horizonte. Claro que ela optou pelo certo no lugar do duvidoso, que no caso é viver com esse famoso poeta desconhecido e nunca publicado, mais sobrevivente do que qualquer outra coisa. Perfeito Zé Ninguém, pé rapado, tem que pedir licença pra cair morto. Ela está certa em querer uma vida sem atropelos, sabendo que, no fim do mês, vai ter dinheiro pra pagar o aluguel, o gás.

Os dois seguem pela João Pinheiro. Estão andando até devagar para o pouco tempo que tem pra chegar ao destino. Ele, de cabeça baixa, mãos nos bolsos, o cigarro apagado no canto da boca. Ela, disfarçando uma lágrima, finge que não está triste e assustada por deixar aqui este homem, um cara até legal, que a ama de verdade e a faz sentir mulher; mas “amor não enche barriga nem paga as contas” diria a sua sábia mãe, se ainda estivesse por aqui.

Estão na Álvares Cabral. Mais uma à esquerda e já ganharão a Afonso Pena, a última linha reta em direção ao último lugar em que vão se ver. A Rodoviária de Belo Horizonte é um desses lugares de encontros e despedidas, tipo aquela canção do Milton que diz assim “Todos os dias é um vai-e-vem /A vida se repete na estação /Tem gente que chega pra ficar /Tem gente que vai /Pra nunca mais...” Pessoas que foram afastadas pelo tempo e pelas escolhas que fizeram na vida, pessoas que se arrependeram das escolhas que fizeram e querem voltar atrás no tempo, pessoas pedindo desculpas por ter que partir ou por ter partido, alegres ou tristes por voltar, fugindo do calor daqui para o calor do litoral, pessoas, pessoas, pessoas, todas elas deslocadas do seu habitat natural. Na Rodoviária, ônibus que chegam e saem levam e trazem consigo sonhos e expectativas, olhos brilhantes ou chorosos, ansiedades e alívios; gente que chega pra ficar uns dias, gente que vai ficar por toda a vida, gente que não agüenta mais de saudade da terra natal, gente que não agüenta mais viver na capital.
No caso dos nossos dois amigos, um deles vai partir para uma vida nova; o outro deve ficar para viver a mesma vida, ou a metade da vida que vivia até agora. Ela não suporta mais viver assim sem garantia, sem perspectiva, ao lado de um homem que a ama, mas que não tem certeza se almoçará amanhã; se ela partir, seguindo a razão e deixando o coração por aqui, talvez seja melhor para ela. Porque não dá mais pra ficar mudando de casa toda vez que vence o contrato e o aluguel aumenta. Toda vez juntar as tralhas e ir procurar outra freguesia. Agora ela vai ter uma casa, um emprego decente, um salário, quem sabe até poderá retomar os estudos e se formar. Já ele não se formou; chegou a começar o curso de jornalismo na Federal, abandonando-o no terceiro período. Os colegas com quem ele dividia o apartamento tinham se formado e a república ficara grande demais para ele sozinho, maior ainda para o seu bolso. Ela um dia passou na imobiliária pra pegar as chaves do apartamento do anúncio do Balcão, de um quarto, perto do Centro, barato, que dava pra ela e as duas amigas do serviço. Qual não foi a surpresa de abrir a porta da sala e se deparar com um estranho dormindo num colchonete, seminu, com uma garrafa de conhaque pelo meio. Não adiantou ele inventar que era o pintor contratado pela imobiliária: no fim ele teve que confessar que, sem ter pra onde ir, fizera cópias das chaves e estava há uma semana “morando” ali escondido. Mil desculpas depois, depois do susto e do constrangimento, ela até que achou graça da situação e prometeu não contar nada para o pessoal da imobiliária se ele não demorasse a arranjar outro lugar pra ficar. Ele poderia passar a noite ali, se quisesse. Ela até perguntou se ele estava com fome. Pra falar a verdade, a moça achou o sujeito bonito, ainda mais quase nu como estava. “Tudo bem, vou embora”, disse ela. “Volto aqui amanhã, vou ficar com o apartamento. Quero ver você fora daqui, viu?”, disse ela de um jeito jocoso. Ele:“tá bom, tá bom. Mas eu só saio se você tomar um café comigo amanhã”, disse ele, nem acreditando na própria ousadia, tímido como era. “Veremos”, disse ela, rindo. Quando ela contou pras amigas, elas falaram “Sua doida!Podia ser um tarado, um ladrão, sei lá! Porque você não chamou a polícia, o síndico? Ah, já sei! Você já foi logo se engraçando pra cima do cara, né, sua sem-vergonha?”
Foi assim que os dois se conheceram naquela tarde de sexta-feira, dois anos atrás. De lá até hoje, passou o primeiro encontro no teatro (foram ver Noites Brancas no Alterosa); passaram meses entre a primeira briga e algumas semanas de separação até a tórrida noite de amor na mesma sala sem móveis, passou a viagem a MOC para o enterro da Dona Conceição, passaram as aulas do cursinho preparatório noturno dela e um ou outro trabalho esporádico de tradução (russo e francês) para ele. Passaram dois anos, dois anos exatos até hoje, agora, noite de um dia quente de setembro, Praça Sete, poucas quadras distante da Rodoviária, destino final de uma história de amor que vai acabar em quinze minutos, a tempo de ela pegar um ônibus.
Quem rompe o pesado silêncio é ela:

- Pedro, você vai me ligar?
- Se o seu marido não ficar com ciúme...
- Ele não é meu marido. Ainda.
- Vocês vão morar juntos, não vão? Então, pra todos os efeitos, ele JÁ É seu marido...
- Vai ficar com ciúme nada, preocupa não. Só quero ter notícia daquela história da editora.
- Te mando o convite do lançamento. Traz o seu neto. Talvez seja um livro infantil. (Ele ri. Ela ri. Mas ambos não conseguem esconder a tristeza).
- Não demore tanto assim a me ligar. Quero saber que você vai ficar bem.
- Ta. Mas acho que nunca mais vou ficar bem.
- Chegamos viu? Deu tempo. O ônibus ainda não saiu.

Senhores passageiros. O Terminal Rodoviário informa: por problemas operacionais, a partida para Montes Claros programada para as vinte e três horas sofrerá atraso. Solicitamos aos passageiros que aguardem. Lamentamos os transtornos.

Ele olha para ela. Ela olha para ele. Nenhum dos dois consegue segurar o riso, que vira uma gargalhada de doidos. Quem passa não entende porque os dois estão rindo como bobos.
- Viu? O tempo está a meu favor! Ganhei mais uns minutinhos. Quem sabe até a noite inteira...vamos voltar pra casa? A gente volta amanhã cedo.
- Pára, sô. Deixa de brincadeira ....
- Desculpa. Eu só queria que o tempo parasse agora. Ou deixasse de existir. Ou que abrisse um buraco no chão pra eu entrar nele. Já sei, vou me esconder no maleiro do ônibus. Sou mestre nisso, lembra? Ninguém me descobriu até você abrir a porta da sala aquela vez...
- É, Pedro. Mas agora não estou chegando. Estou partindo. Eu é que vou me esconder. E eu acho que você não vai me achar. Eu sinto muito.

Sentam-se. Ele, instintivamente, como de hábito, segura a mão dela. Ela não o repele, ao contrário, acolhe aquele gesto afetuoso e habitual. Mas sabe que o afeto dele por ela ficará aqui em Belo Horizonte. Ela sabe que antes de o ônibus ganhar a 381 ela vai estar chorando, protegida da curiosidade dos outros passageiros pela escuridão do interior do veículo. Ele agora acaricia de leve o rosto dela.

- Promete que não vai me esquecer?
- Prometo.
- Promete que vai me escrever de vez em quando?
- Prometo.
- Promete...
- Aí já estou fazendo promessas demais.

Senhores passageiros. O Terminal Rodoviário informa: a partida para Montes Claros será realizada às vinte e três horas e vinte e cinco minutos. Embarque na plataforma J. Tenham todos uma boa viagem. Agradecemos pela compreensão.

- É...parece que é agora.
- Pois é...
- Adeus?
- Adeus.
- Você tem um minuto pra desistir dessa bobagem, Camila.
- Não, não é bobagem.
- Tudo bem. Tudo bem nada! Não quero ver isso. Vou embora antes de te ver indo.
- Tenho que entrar. Me dá um abraço.

Abraçam-se. Teria durado toda a eternidade esse abraço, é a impressão que tiveram. E pelos segundos em esse abraçou de fato durou, passou por eles tudo o que havia acontecido desde dois anos atrás; agora, aqui, tudo isso ficaria para sempre selado entre os dois, um pacto silencioso de que nenhum dos dois esqueceria daquilo tudo. O primeiro que rompesse o acordo morreria fulminado por um raio.
No meio do abraço, uma voz embargada de homem diz: “Eu te amo”. E outra voz, de mulher, responde: “Eu te amo, também”
A porta do ônibus está aberta. Só falta ela pra embarcar. Ela sobe os dois degraus, lágrimas nos olhos, tenta desesperadamente não olhar para trás. A porta do ônibus se fecha. E ele, na plataforma, a observa se ajeitar no assento perto da janela. Um último aceno, um último e inútil esforço de ambos para conter as lágrimas. O ronco do motor, a manobra suave do grandalhão de aço para se afastar da plataforma; em pouco, o ônibus já alcança a Contorno e, quando vira a primeira esquina, já não pode mais ser visto por quem chora na plataforma.Uma moça que viu a cena contou depois: “tinha uma homem chorando lá na plataforma da Rodoviária, mãe. Parece que a mulher dele foi embora. Foi tão bonito, senhora precisava ver, mãe”.



DO NADA



Chegaste com uma mochila nas costas:
Trazendo dentro dela a vida
A mãe em segredo colocou uma oração
O pai um cartão de visita
Chegaste com muitas coisas guardadas no coração
Deixadas no lugar em que você cresceu
Dentro das malas não coube o que ficou
Vieste de mãos vazias
Sem lugar pra ficar na cidade
Sem ninguém pra chorar junto contigo
Os amigos tentaram te dissuadir
Mas você quis
Você quis partir sozinha.

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

O NOSSO LIVRO (revisto e ampliado)

O trecho novo está em itálico

- Bom dia. Por favor. Eu queria falar com a Rafaela.
- Um minutinho, senhor. Vou ver se ela está. Rafeeeelaa! Cliente!
(...)
- Oi, Rafaela. Você não ligou. Chegou meu Neruda?
- Pedro!!! err...Senhor Pedro.(Belo sorriso)- Chegou sim! Vou lá dentro pegar pro senhor.

Rafaela. A atendente. Bonita. Pele clara, muito branca, que não vê sol; óculos de aros grossos. É a atendente da livraria mais babalada da cidade, aonde os belohorizontinos "cultos" vão pra se exibir, mostrar como são cultos e que já leram todos aqueles livros. Mas esse pessoal vai lá mesmo é para beber no bar anexo à loja, jogar conversa fora e fazer "farol", como um amigo dizia. Pedro veio buscar o livro que lhe havia sido prometido uma semana antes. Ele é o que podia ser definido como "rato de biblioteca" e "CDF". Os colegas da escola sempre zoavam dele, o chamando de "quatro olhos", por causa das grossas lentes que precisou usar desde criança; lia tudo o que caía nas suas mãos. Mas nem sempre podia entrar nas livrarias da cidade, os livros já estavam muito caros naquele tempo. Pedro considerava aqueles lugares onde se vendiam livros como templos sagrados aonde ele jamais poderia entrar, e os vendedores lhe pareciam monges que protegiam um tesouro precioso. Agora, já trabalhando (trocou o óculos fundo-de-garrafa por lentes de contato) e com uma condição melhor, emprego no Estado, pode se dar ao luxo de frequentar livrarias chiques da zona sul; gasta boa parte do salário de funcionário público que mora sozinho numa quitinete no Centro com os seus Nerudas, Pessoas e Voltaires. A estante nova, comprada à poucas semanas, já quase não suporta o peso de tanta cultura. Pedro está só. A última namorada que ele teve foi a mais ou menos... bem, não foi assim uma "namorada", se é que podemos chamar de "relacionamento" uma ou duas idas ao cinema (Almodóvar e Woody Allen) e uma ou duas idas ao Café Três Corações da Savassi. Ao que consta, a moça está em alguma cidade do interior de Minas, voltou a morar com os pais. Agora, Pedro sai do trabalho e vai à livraria pelo menos duas vezes na semana, e sempre ali está a atendente de óculos de aros grossos.
Se alguém já desconfia que o interesse de Pedro pelos livros é um pretexto para vê-la, já podemos começar a revelar os detalhes. Então: voltaremos uns dias atrás nessa história, no dia em que Pedro veio procurar aquela edição cara do Neruda, que acabara de ser lançada. Uma edição bilíngue de "Navegações e Regressos" ainda inédita no Brasil. Era dia do pagamento, quando ele se permitia algumas pequenas extravagâncias, mas aquele Neruda era um livro já acalentado a muito tempo, desde que ele ouvira falar que, finalmente, o inédito do poeta chileno chegaria ao Brasil. Pedro já havia reparado na nova balconista das outras vezes. O rapaz de antes, com quem ele havia comprado todos os outros livros, não trabalhava mais lá. Naquele dia, Pedro entrou na loja e foi direto à prateleira dos autores latino americanos, na letra N de Neruda, mas não encontrou a edição esperada. Olha para cima, e vê a garota subindo numa escada, repara em seu belo corpo, e envergonhado, baixa os olhos, olha para o outro lado. A moça nota o cliente. É tão tímida quanto ele e ruboriza ao se sentir observada, mas o ar profissional, a forçada gentileza dos atendentes, o "pois não, senhor, o que deseja?" faz com que ela se recomponha.
-Eu quero aquele Neruda que saiu semana passada, ainda tem?
-Desculpe, senhor; vendemos todos...
-Puxa, que pena. Eu queria muito...
-Posso ver se consigo no distribuidor, senhor. Leva uma semana, mais ou menos...
- É mesmo? E se eu não sobreviver até lá? (ele ri, forçando uma naturalidade que não tem).
(Ela retribui o riso, mas volta ao tom formal): Se o senhor quiser, posso fazer o pedido e ligar assim que chegar.
(tira uma caneta e um bloquinho do bolso do avental) Vou anotar o seu telefone. Prometo que ligo na mesma hora que chegar.
- Pedro. Prefiro por email, pode ser?
- Pode também.
- Então anota aí: pedromarinho@gmail.com.
- Vou fazer o pedido para a distribuidora amanhã de manhã, senhor Pedro.
- Entao tá. Eu espero. Até mais.
- A livraria (...) agradece a sua visita, senhor. Tenha uma boa noite.
- Boa noite.
Eis o primeiro diálogo. Pedro vai para casa frustrado por não ter conseguido o seu Neruda, mas algo lhe diz que esta não é a única causa da sua noite mal dormida. Alguma coisa naquela atendente havia despertado sua curiosidade. Ele ainda não se dera conta de que, como nos filmes, já tinha se apaixonado pela atendente da livraria. Pensa: "volto lá amanhã mesmo, é sábado, vou ver se compro aquele Borges também".
Já de manhã, Pedro acorda com o firme próposito de ir à livraria e convidar a moça de óculos de aros grossos para tomar um café e conversar sobre literatura latino americana. Para ir até a loja, só precisa caminhar alguns quarteirões.
Qual não é a sua decepção quando chega e, em vez da atendente bonita, encontra um simpático velhinho vestindo o mesmo avental verde e com o mesmo sorriso ensaiado de "pois não senhor, o que deseja?"
-Não, nada não. Só estou olhando.
- Fique à vontade, senhor. Qualquer coisa, é só chamar.

Pedro não está nada feliz de não ver a sua balconista predileta. Mas disfarça e fica perambulando a esmo pelas estantes entre os best-sellers da semana e os manuais de auto-ajuda, entre os romances água-com-açúcar e os livros didáticos, entre os livros-que-viraram-filmes e os filmes-que-viraram-livros, entre as séries sobre vampiros e os clones de Senhor dos Anéis e...Aqui e ali, pega alguma coisa, folheia, devolve para a estante. Tudo para passar o tempo, quem sabe a moça está lá dentro no estoque, quem sabe saiu para tomar um café e vai voltar logo. Não aparece! Será que ela não veio trabalhar hoje? Ou será que ela é fruto da sua imaginação, será que saiu de um daqueles livros, será que ela só se materializa quando ele está ali? Não, se fosse assim, ela estaria aqui... sem poder esperar mais, Pedro vai falar com o velhinho de avental verde:
- Escuta... Ontem eu pedi àquela moça um Neruda que chegou semana passada e ela disse que vai pedir pro distribuidor. O senhor sabe se ela pediu?
- Qual delas?
- A de óculos.
- Ah, sim. A Rafaela. Hoje é dia de folga dela.
- Mas ela me disse que ia fazer o pedido pro distribuidor hoje.
- Vai ver que ela esqueceu que não trabalha hoje. Segunda feira ela taí de novo. Ótima funcionária. Estuda Letras na Federal. Sabe tudo de literatura latino americana. Gosta de Neruda também. Que nem o senhor, não é?
- É. É o meu preferido.
(Só agora Pedro percebe que está falando com o proprietário).
- Será que o senhor poderia fazer o favor que lembrar a ela que eu fiz o pedido? Meu nome é Pedro, Pedro Marinho. Deixei meu email com ela.
- Eu mesmo posso fazer o pedido, senhor. Deixa eu abrir aqui no computador. Bom, vamos ver... "Pedidos"... "Pedido Novo"... "Título ou autor"... qual é mesmo o título, senhor?
-"Navegações e Regressos". Neruda.
- "Na-ve-ga-ções e... uai, já tá pedido! A Rafaela pediu ontem mesmo, um pouquinho antes da loja fechar. Boa funcionária, não disse? Tava meio avoada ontem á noite, mas deve ser a dissertação, coitada, e aquela história da separação dos pais... vou ver se dou uns dias de férias pra ela.
- O senhor disse que ela fez o pedido ontem...então que dia que chega?
- Bom, hoje é sábado. Não conta. Amanhã a gente não abre... Então, a partir de segunda...uma semana. Só na outra segunda. Mas posso garatir que o Neruda já é do senhor. E só precisa pagar quando receber. Se for à vista, damos desconto.
- Muito obrigado. Pede pra...
- Rafaela.
- ... Rafaela me ligar. Anota o telefone, por favor. Eu falei meu e-mail mas, pensando melhor, pede pra ela ligar.
(O velho sorri. Parece que entendeu): - pode deixar.

terça-feira, 31 de julho de 2012

POUCOS SÃO OS DIAS


Poucos dias depois de mudar o caminho
De ir e voltar, acostumado como sempre a não parar
Volto a ver tudo de novo como se fosse novo todo dia.

Um instante depois de me conter,
para não contar
Eu ponho o jogo a perder
pra te ganhar

...serão apenas alguns dias
até que eu volte a ter esse dia
que nunca mais vai passar.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

O JOGO DAS SOMBRAS


você me causa reações conflitantes:
a vontade de querer e não estar
Diante de ti, são paixões divergentes
o desejo de fugir com a ansiedade de ficar
Você me desperta coisas esquecidas:
Antes de ti eu perdia tudo o que eu guardava
Agora, tudo o que eu encontro eu guardo para ti.
Você não nota que eu te persigo porque parece que desapareço,
nem se dá conta de que, me deixando onde estou, está me levando daqui.

UM DIA DE FOLGA

9A (Nova) SEÇÃO: SERÁ QUE SOU MESMO POETA?

Hoje vou esquecer um pouco de outras coisas:
Para ter um pouco de tempo para mim
Sei que lá fora o tráfego me espera
Quer me contrariar
Mas vou ficar aqui
E ninguém vai me encontrar
Não é tristeza, não
Nem cansaço
Que me faz ter vontade de não acordar
A vida continua a mesma
Eu é que quero me mudar
Por isso, peço a todos um pouco de paciência
Amanhã, no mesmo horário
Eu vou voltar.

AMANHÃ É SÁBADO


É mesmo:
amanhã eu não preciso acordar cedo
Posso descansar
Que hoje, meus caros, ando sonhando acordado
Com o dia em que vou dormir sossegado
Sem compromisso
Sábado mais tarde eu penso nisso
Amanhã eu prometo que já vou ter me esquecido
Mas agora, eu sinto, não tem jeito.

ASTRONOMIA


Este coração, ínfimo em comparação com o mundo
é o mesmo que contém dentro de si o que sente
e que já é,
por si só, maior que tudo
Meu coração, considerando
a distância em que se encontra
É como uma estrela vista do infinito:
parece muito menor do que um ponto.